A Terra de Israel

O pedaço da terra mais disputado do mundo talvez seja a terra de Canaã. Este lugar, hoje chamado de Israel, ocupa uma faixa bem estreita entre o mar Mediterrâneo e o rio Jordão. Canaã é pequena, contendo uma área bem menor que o estado de Sergipe e menos de uma metade dos metros quadrados de Alagoas. Mesmo assim, esse território tem sido almejado e contestado desde a antigüidade. O que a Bíblia nos ensina sobre esta terra, a quem pertence hoje, e quais são os planos que o Senhor tem para seu futuro?

A História da Terra

Quando Deus chamou Abraão para que deixasse a parentela e fosse para uma determinada terra (Gênesis 12:1), este foi para Canaã. Ali, ele peregrinou e criou sua família. O Senhor prometeu que daria aos descendentes de Abraão “esta terra” (Gênesis 12:7), e repetiu a promessa para Abraão (Gênesis 13:14-15, 17; 17:8), Isaque (Gênesis 26:3-4) e Jacó (Gênesis 28:13). O Senhor explicou que o cumprimento ia demorar uns quatrocentos anos (Gênesis 15:13-16). De fato, 430 anos depois (Êxodo 12:40-41), o Senhor levantou Moisés que libertou o povo do Egito e o conduziu à terra prometida. Por causa da incredulidade do povo, a realização da promessa demorou mais uma geração (Números 13-14). Mas finalmente, Israel entrou e conquistou a terra (veja Josué).

Israel tomou conta de toda a terra que Deus prometeu. “Assim o Senhor deu aos israelitas toda a terra que tinha prometido sob juramento aos seus antepassados, e eles tomaram posse dela e se estabeleceram ali … De todas as boas promessas do Senhor à nação de Israel, nenhuma delas falhou; todas se cumpriram” (Josué 21:43, 45). O próprio Josué afirmou num discurso aos líderes de Israel: “Vocês sabem, lá no fundo do coração e da alma, que nenhuma das boas promessas que o Senhor, o seu Deus, lhes fez deixou de cumprir-se. Todas se cumpriram; nenhuma delas falhou” (Josué 23:14b; veja também 1 Reis 4:21; Neemias 9:7-8).

Deus deu a terra para o povo de Israel de forma incondicional. Logo antes da entrada do povo na terra prometida, o Senhor explicou: “Não é por causa de sua justiça ou de sua retidão que você conquistará a terra delas. Mas é por causa da maldade destas nações que o Senhor, o seu Deus, as expulsará de diante de você, para cumprir a palavra que o Senhor prometeu, sob juramento, aos seus antepassados, Abraão, Isaque e Jacó” (Deuteronômio 9:5). Os israelitas receberam a terra apenas porque Deus havia garantido aos patriarcas que a daria aos seus descendentes. Mas eles iriam continuar na terra somente por sua fidelidade ao Senhor. Em Deuteronômio 28 e Levítico 26, Deus salientou as maldições que o povo ia sofrer caso quebrasse a aliança, inclusive a expulsão da terra: “Vocês serão desarraigados da terra em que estão entrando para dela tomar posse” (Deuteronômio 28:63b). Eles desobedeceram ao acordo que fizeram com Deus múltiplas vezes e apesar de longanimidade enorme, finalmente o Senhor concretizou as maldições contra a nação: Assíria e Babilônia levaram-na em cativeiro.

Depois do exílio, porém, Deus se comprometeu que deixaria o povo retornar para a terra prometida (Deuteronômio 30:5). De fato, sob a liderança de Josué e Zorobabel, o povo voltou para a terra de Canaã (veja Esdras). Infelizmente, o povo novamente se afastou do Senhor, e Jesus anunciou que seria expulso da terra mais uma vez. Depois de ter passado um capítulo salientando os erros dos líderes, Jesus decretou: “Eis que a casa de vocês ficará deserta …Eu lhes garanto que não ficará aqui pedra sobre pedra; serão todas derrubadas”(Mateus 23:38; 24:2). Ele falou que Jerusalém seria destruída naquela geração (Mateus 24:34), e assim aconteceu. No ano 70 d.C. o general Tito com o exército romano cercou, conquistou e aniquilou a cidade de Jerusalém.

A Terra Hoje

Não resta mais nenhuma promessa de Deus referente a Canaã. Deus já cumpriu a promessa de dar a terra aos descendentes de Abraão e para deixar o povo voltar após o cativeiro. Quando o povo perdeu a terra pela segunda vez, perdeu todo o seu direito a ela. Em 1948, alguns judeus retornaram, mas este evento não é cumprimento de nenhuma profecia bíblica; é simplesmente um acontecimento político.

As escrituras afirmam nitidamente que não há mais distinção entre judeus e gentios perante o Senhor. “Não há diferença entre judeus e gentios, pois o mesmo Senhor é Senhor de todos e abençoa ricamente todos os que o invocam” (Romanos 10:12; veja Colossenses 3:11). Qualquer promessa possuída pelos judeus hoje aplica-se igualmente aos gentios, porque Deus não mais diferencia os dois em nada. Todos os servos fiéis ao Senhor são contados como Israel hoje. “Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher; pois todos são um em Cristo Jesus. E, se vocês são de Cristo, são descendência de Abraão e herdeiros segundo a promessa” (Gálatas 3:28-29). O Israel de Deus inclui todos os servos dele independente da sua nacionalidade (Gálatas 6:16; Romanos 4:11-17).

O propósito de Deus na própria escolha de Abraão foi justamente isso: através do seu descendente abençoar todas as famílias da terra. A eleição de Abraão, portanto, não foi destinada a favorecer a família dele, mas a utilizá-la para salvar o mundo. Os profetas do Velho Testamento indicaram que haveria uma época em que judeu e gentio seriam indistinguíveis. “O Senhor dos Exércitos os abençoará, dizendo: ‘Bendito sejam o Egito, meu povo, a Assíria, obra de minhas mãos, e Israel, minha herança'” (Isaías 19:25, veja 19:16-25). Em Cristo, o uso especial de Israel físico cessou, e o povo de Deus se tornou um corpo unido, composto tanto do judeu como do grego.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here