Certa manhã, o pai andava pelo bosque com seu filho e resolveu transmitir-lhe algumas lições de vida. Encostando-se numa árvore, olhou para o filho e perguntou-lhe o que estava ouvindo. Depois de fixar a atenção no lugar, o menino respondeu-lhe:

– Escuto o barulho do vento batendo nas folhas das árvores e o canto dos pássaros.

– Fora o barulho do vento e das aves, o que mais você escuta? – continuou o pai.

Após apurar bem os ouvidos, o menino comentou:

– Ouço também o barulho de uma carroça.

– Muito bem, é o barulho de uma carroça vazia – afirmou o pai.

O menino ficou surpreso! Como o pai podia afirmar que a carroça estava vazia sem nem mesmo vê-la? E foi o que lhe perguntou.

– É fácil perceber quando uma carroça está vazia pelo barulho que ela faz. Quanto mais vazia a carroça, maior o barulho. Assim também são as pessoas, meu filho – continuou o pai. – Quanto mais barulhentas, isto é, quanto mais agridem os outros, falam muito e não param para escutar, mais vazias ficam de si mesmas.

O menino cresceu, guardando consigo esse ensinamento. Todas as vezes que se depara com pessoas inoportunas e agressivas, pensava: “São como carroças vazias”.

Para não ser como carroça vazia, é necessário falar menos e escutar mais. É necessário ter conteúdo de qualidade para não seguir pela vida apenas fazendo barulho, mas não transportando nada de valor substancial. As carroças, antigamente, transportavam mantimentos, mercadorias, roupas, água, lenha, pessoas doentes, etc. Tinham muita utilidade.

Todos nós podemos, em algum momento, ter nos sentido uma carroça vazia. Mas todos nós podemos, igualmente, encher-nos de coisas boas para nós mesmos e para aqueles que estão a nossa volta, e para tantos que podem se beneficiar de nossos serviços de amor e bondade.

Para deixar de ser carroças vazias precisamos praticar alguns valores básicos, tais como melhorar nossa capacidade de escutar, ouvir mais os sons que se encontram a nossa volta. Podemos procurar identificar os ruídos; assim estaremos exercitando nossa atenção. Assim levaremos coisas boas para os outros.

Devemos preencher a nossa carroça interior com a leitura a Bíblia e tempo de qualidade a sós com Deus todos os dias. Isto nos servirá como fonte de abastecimento. Podemos ainda fazer boas leituras de outros livros, bons filmes, boas músicas e boas conversas.

Aprendemos muito quando sabemos escutar. Devemos sempre diferenciar o som de uma carroça cheia e de uma carroça vazia. Mas o primeiro lugar onde devemos procurar este som é dentro de nós. Somos carroças cheias? Quanto mais cheia a carroça, mais silenciosa e discreta ela fica.